Enquadramento Teórico

Atualmente muita atenção tem sido dedicada ao estudo dos Clusters reconhecendo a importância destes para a competitividade da economia.

Porter (1989) define "Cluster” como sendo uma concentração geográfica de várias empresas e instituições que se encontram interligadas e que operam numa determinada área.

Por outras palavras, uma rede de empresas e instituições interligadas conseguem gerar sinergias e vantagens competitivas que lhes permite alcançar uma presença global mesmo que geograficamente estejam distantes dos maiores mercados mundiais.

A operação em rede resulta, assim, em benefícios gerados pelo todo (conjunto de empresas da rede) superior à soma dos benefícios das partes.

Em Portugal, o despertar para a potenciação de uma política de Clusters como meio para a criação e sustentação de vantagens competitivas começou recentemente. Em julho de 2009, por despacho dos Ministros do Ambiente, Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, e do Trabalho e Solidariedade Social, foram reconhecidas formalmente 19 Estratégias de Eficiência Coletiva – tipologia Clusters: 11 Polos de Competitividade e Tecnologia e 8 Outros Clusters.

O estudo da "Avaliação da estratégia e do processo de implementação das estratégias de eficiência coletiva”, publicado em abril de 2013, aponta aspetos a melhorar na política de clusters, sugerindo uma maior robustez no modelo de governance, de financiamento e sustentabilidade, de profissionalização na gestão dos clusters, na definição de estratégias ambiciosas e orientadas para a internacionalização ou numa melhor articulação com as entidades públicas.

Associados ao Smart Waste Portugal, as empresas do setor serão potenciadoras de uma forma sustentável de gestão, que complementam o conceito de economia verde na medida em que promovem uma economia circular, de baixo carbono e com produção minimizada de resíduos, com consequências benéficas no ambiente e na saúde humana.

Os resultados das estratégias de produção, deposição, recolha e transporte, e valorização que reflitam uma gestão adequada requerem menos investimento de capital, criação de mais empregos e mais sustentáveis meios de subsistência, proteção da saúde pública e minimização da emissão de CO2.

Os clusters do calçado, da saúde e do vinho, são alguns dos casos que demonstram a importância de uma estratégia concertada que permite a obtenção de vantagens competitivas para todos os seus stakeholders.Smart Waste Portugal